Anilza Marques do Espírito Santos – NJ Boavista – Luanda – Angola
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Chamo-me Anilza Marques do Espírito Santos, tenho 37 anos de idade. Sou missionária e resido no distrito urbano da Ingombota, Bairro Boavista Sonil. Dedico como responsável da unidade acima citada. Conheci a Igreja Messiânica no dia 8 de maio de 2005, por intermédio da minha irmã que é membro da igreja, a quem tenho profunda gratidão.

Os motivos que me levaram a conhecer esta igreja, foram: doenças e dificuldades financeiras.

Tudo começou em São Tomé e Príncipe, quando havia pisado em um lençol branco no rio, que não sabia a quem pertencia. Depois de 15 dias, comecei a sentir dor em todo corpo e na perna esquerda que não me possibilitava andar em condições. Além disso, as pessoas diziam que aquelas dores que sentia, era um vento de tradição e para tal tinha que fazer tratamentos. Estas moléstias levaram-me a frequentar, várias vezes, os hospitais e casas de quimbandas durante 3 anos, mas, sem resultado satisfatório.

Como a situação era notória, decidi comunicar para minha irmã que se encontrava em Luanda (Angola). Esta, por sua vez, orientou-me a procurar a Igreja Messiânica. Porém, não me interessei e comecei a frequentar outra religião. Assim sendo, a situação ao invés de melhorar, piorava a cada dia que passava.

Tempos depois, vim para angola com o objectivo de realizar tratamentos. Mas, não estava a ter melhorias. Certa vez, eu e minha irmã decidimos ir no mercado do Roque Santeiro a fim de fazer compras. Mas, em primeiro lugar a minha irmã pediu-me que fôssemos na igreja fazer oração. Eu neguei entrar e fiquei à sua espera na porta da nave. Depois, assim que nos dirigíamos ao mercado, fomos interpeladas pelos marginais alegando que poderíamos ser mortas.

Com medo, entreguei todo dinheiro que tínhamos, mas os mesmos não aceitaram e falaram-nos que o objectivo não era dinheiro, mas, sermos assassinadas. Diante daquele cenário, a minha irmã conseguiu escapar da situação e eu fiquei a ser maltratada por eles, sem entender a razão de tais factos. Deste modo, a minha irmã pedia socorro nas pessoas, mas, não aceitavam ajudar e diziam que ela precisava ficar escondida a fim de contar para a família sobre a estória da minha morte. Caso contrário, nós duas poderíamos ser mortas e ninguém conseguiria contar o que aconteceu. Assim sendo, ela começou a fazer orações até que entre eles começou a surgir complicação, porque um deles dizia que poderia ser morta e o outro não aceitava. Chegou ao ponto de receberem o dinheiro e me soltarem. Contudo, quando minha irmã veio ao meu encontro, me encontrou já toda maltratada e dilacerada. Levou-me até ao Johrei Center do Sambizanga. Na nave, as pessoas boquiabertas, perguntaram o que havia acontecido. Deste modo, explicamos o sucedido ao plantonista que após ouvir-me atentamente, orientou-me as práticas básicas da Igreja.

Cumpri com as orientações com muitas dificuldades e em curto espaço de tempo, os problemas que me assolavam foram ultrapassados. Com todos esses milagres, materializei um donativo especial, donativo de ingresso na fé e de outorga.  No ano seguinte, ganhei a permissão de me tornar membro com mais 12 pessoas, para melhor servirmos na Obra Divina.

A experiência de fé que relato para os senhores, está relacionada com as práticas básicas da fé, e a participação dos cultos realizados online em sintonia com a Sede Central de África.

No mês passado, tive dificuldades em participar dos cultos via online, por falta de um telemóvel digital, visto que o missionário que nos ajudava estava a purificar fortemente. Deste modo, liguei ao meu orientador, que por sua vez orientou-me a fazer uma programação com todos os missionários da nave. Seria para cada um tirar um dia de seu tempo para acompanhar os cultos no retrato do Messias Meishu-sama em sintonia com a Sede Central de Africa, isto é, as 9 horas da manha e às 17 horas.

Como estamos em tempos de confinamento social, de acordo com as orientações dos nossos superiores, fomos orientados a aprofundar na dor e sofrimento das pessoas, fazer marcha de Johrei com leitura dos ensinamentos de Meishu-sama nos lares, participar da marcha de distribuição de flores, limpeza, aula da vivência, como preparação do culto do Paraíso Terrestre e culto às almas dos nossos Antepassados.

Com as dedicações realizadas nos lares, tivemos as seguintes mudanças que passo a relatar:

1.- Uma membro, durante este estado de emergência, teve a permissão de ser visitada pela sua cunhada que é membro afastada da igreja. Entretanto, durante a visita começou a purificar fortemente com fraqueza, o coração acelerava bastante e outros sintomas. Ao conversar com ela, notou-se que a mesma estava fora das práticas básicas da fé. A mesma disse que escutava vozes e os seus antepassados orientaram-lhe a dedicar no futuro Solo Sagrado de África. No dia seguinte, foram ao Solo Sagrado, onde tiveram a permissão de dedicar no plantio de flores e plantar duas árvores com objectivo de ligar as suas raízes com a construção do templo messiânico.  No final da dedicação, foi orientada a materializar um donativo de pedido de perdão às suas linhagens e às linhagens do marido. Com estas práticas, a mesma recuperou na totalidade. Então, foi-lhe orientada a participar dos cultos juntamente com a família em sintonia com a Sede Central de África, distribuir flores, renovar a sua horta caseira e cuidar de pelo menos 2 casas.

Com espírito de gratidão, teve a permissão de abrir duas casas, sendo, uma de membro afastada e outra de frequentador que ela cuida actualmente. Já realizou a aula da vivência, horta caseira e limpeza nessas casas. Como gratidão, materializou um donativo especial de construção do Solo Sagrado.

2.- Uma membro que estava a purificar com constantes dores no corpo, não possibilitando a sua deslocação de um lugar para outro. Os seus negócios também não davam lucro, por não materializar correctamente os donativos, visto que a mesma estava afastada da igreja durante um ano. Está, por sua vez, teve a permissão de receber a visita dos fiéis em sua casa no princípio deste mês. Um total de 12 membros e 2 frequentadores, que realizaram uma limpeza profunda, aula da flor, montagem da horta caseira, distribuição de flores na vizinhança, ministração de Johrei com leitura do ensinamento durante 3 horas.

No final, foi orientada a materializar um donativo de pedido de perdão aos seus ancestrais e antepassados, donativo de gratidão pela dedicação e donativo de construção do Solo Sagrado com objecto de ligar as suas raízes com a construção do Templo Messiânico. Além disso, reassumir o compromisso que havia feito com Deus e o Messias Meishu-sama, antes de receber o seu sagrado Ohikari.

Com esta prática, no dia seguinte restabeleceu-se por completo. Ela, que não conseguia deslocar-se de um lugar para outro, conseguiu sair da cama e uma semana depois o negócio começou a ser comprado em quantidade. Como gratidão, dirigiu-se até a nave e materializou um donativo especial de gratidão.

3.- Uma frequentadora que estava a passar por sérios problemas no lar, visto que viviam em uma casa de aluguel e o proprietário da mesma havia recebido a casa mesmo sem ter terminado o tempo que já tinham pago. Sem saber o motivo e sem ter um local onde se abrigarem, dirigiu-se em casa de sua irmã com os filhos e o marido passou a viver com um amigo durante sete meses. Com todo este sofrimento, começou a dedicar e foi-lhe orientada a entregar os problemas nas mãos de Deus e do Messias Meishu-sama. Como ela faz parte do grupo de plantão do núcleo, certo dia, decidiu cumprir com a sua tarefa. Posta na unidade religiosa, dedicou na limpeza da nave e do banheiro e no final da sua dedicação materializou um donativo de gratidão. Para sua surpresa, ao chegar em casa, ficou surpreendida ao ser chamada por uma vizinha que lhe entregou a chave de uma residência para ela passar a viver lá com a sua família e pagar um valor mínimo.  Admirada, emocionada e com espírito de gratidão, porque na casa anterior pagava um valor muitíssimo alto mensalmente. Era o dobro do pagamento de 4 meses de aluguel desta nova residência.

Como gratidão, dirigiu-se até a responsável para explicar o facto, e juntas foram ao retrato do Messias Meishu-Sama para agradecer com um donativo de gratidão pelas graças recebidas.

4.- Uma senhora que estava afastada da igreja durante 2 anos, teve a permissão de ser visitada pelos fiéis do Núcleo de Johrei em sua casa. Já em casa, os membros notaram que a família toda estava a purificar fortemente. O seu esposo estava com as duas pernas inflamadas durante dois anos. Ele relatou que já frequentaram hospitais e casas de quimbandeiros, gastando avultadas somas em dinheiro e não houve êxito. Disse que durante estes anos, não consegue calçar chinelas, sapatos e nem conduzir o seu próprio carro, por estar numa situação lastimável.

Então, os membros realizaram limpeza profunda, aula da flor, montagem da horta caseira, assistência com Johrei e leitura dos ensinamentos de Meishu-Sama durante duas horas. No final, materializaram um donativo especial de gratidão. Com esta dedicação, a mesma ganhou força e voltou a dedicar. Ela e sua família começaram a receber Johrei todos os dias na minha casa. Após uma semana de Johrei, a perna do esposo desinflamou consideravelmente. Ele, que não conseguia calçar sapatos e conduzir o seu próprio carro, passou a calçar sapatos e já conduz o seu carro normalmente! A sua família está feliz e participam frequentemente das dedicações realizadas em outros lares. Para agradecer, a família materializou um donativo especial de gratidão a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos antepassados das raízes familiares.

Com estas experiências de fé, aprendi que a voz dos nossos superiores é a manifestação do Messias Meishu-Sama, e constitui a melhor forma para nos elevarmos espiritualmente. Aprendi ainda que para melhor servir, devemos nos empenhar nas três colunas da salvação.

Por permissão do Supremo Deus e do Messias Meishu-sama, sou cadastrada, tenho a Imagem do lar, o altar dos antepassados, faço dízimo, donativo de construção e diário, regularmente. Já encaminhei mais de 200 pessoas à igreja, das quais, 15 são membros.

O meu compromisso é de continuar a servir na Obra Divina, como instrumento do Divino Mestre Meishu-Sama, e transformar o Sonen de todos com quem tenho afinidade, como verdadeiros altruístas. Participar na formação das 100 mil famílias convictas até a conclusão do Solo Sagrado de África.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados por despertarem a minha natureza Divina.

Ao reverendo, aos ministros, responsáveis, missionários, membros e frequentadores, que no dia-a-dia, lutam para o meu crescimento espiritual, o meu muito obrigada. A todos, muito obrigada!

Leia também: