Branca Goga Luçassa – JC Ngola Kiluanje – Luanda – Angola
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O meu nome é Branca Goga Luçassa, tenho 54 anos de idade e resido no Bairro Hoji-ya-Henda, município do Cazenga, em Luanda. Pela permissão do supremo Deus e do Messias Meishu Sama, dedico como vice – responsável da unidade.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Angola, no dia 16 de junho de 2003 por intermédio do meu irmão.

Os motivos que me levaram a conhecer este caminho da salvação foram doenças. Meu falecido marido sofria de infecção pulmonar e eu padecia de dores de cabeça, febre tifoide, reumatismo, tensão baixa, insónia e maus sonhos durante 17 anos. Percorremos vários tratamentos medicinais e tradicionais e frequentamos casas de quimbandas gastando avultadas somas em dinheiro, mas, sem resultados satisfatórios.

Foi neste quadro de sofrimento que meu irmão, apercebendo-se do meu calvário, levou-me ao Johrei Center, onde fomos recebidos pelo plantonista, que após ouvir-nos atentamente orientou as Práticas Básicas da Fé Messiânica.

Cumpri com as orientações sem vacilar. Após quatro meses, meu esposo partiu para o mundo espiritual. Na altura eu era frequentadora. Depois disto, a família dele revoltou-se contra mim dizendo que fui a causadora de sua morte, por lhe ter levado numa igreja de magia. Entrei em conflito com os mesmos. Após a minha outorga no dia 18 de abril de 2004, foi assim que acabou o conflito e a minha saúde foi restabelecida. Como gratidão, fiz um donativo especial de ingresso na fé.

A experiência de fé que passo a relatar aos senhores relaciona-se com a prática de Johrei em família nesta fase de pandemia.

  1. No passado dia 16 de maio, minha filha teve uma purificação no lar. Seu primeiro filho teve briga com o padrasto. Chegando a ponto de lhe engravatar (apertar o pescoço). Minha filha, aflita com a situação, ligou para mim às 23 horas dizendoː “Mãe, eu já não aguento mais essa situação! Prefiro me matar!” Angustiada, desligou o telefone. No dia seguinte, fui à nave e agradeci a purificação com um donativo especial. Em seguida fui visitá-los. Ministrei Johrei na família e aconselhei-os. Ela perguntou-meː “Mamã, quem é a ministra Tininha? “Respondi-lhe que é a Vice-Presidente da Igreja Messiânica Mundial de Angola.” Então, ela disseː “Eu tive um sonho com ela, e no sonho estávamos na Sede Central. A ministra perguntou-me: “Quem é a sua mãe?” Respondi que é a Dona Branca. Admirada retorquiu: “A sua mãe é a Branca?   Pois ela é uma grande dedicante! E encontra-se ao lado da Liturgia. Cadê o seu Ohikari?” Respondi que estava guardado em casa. A Vice-Presidente repreendeu-me dizendoː “O Ohikari não é para guardar, deve sempre colocar no peito. Tu não sabes que nós os messiânicos vencemos a batalha através da luz do Messias?” Logo depois ela acordou. É de realçar que ela não conhece a ministra Tininha. Mas, o aspecto físico que descreveu, é exatamente da vice-presidente. A partir daquela data, voltou a colocar o Ohikari e já ministra Johrei na família. Também o conflito no seu lar passou completamente, graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama. Hoje já vivem em harmonia com o seu marido e o menino arrependeu-se dos seus erros, pedindo perdão ao padrasto.

 

  1. Uma vizinha estava a purificar com dores do peito. Passei a lhe ministrar Johrei em casa todos os dias. A purificação acelerou e foi internada no hospital Maria Pia em estado de coma. Como não podia receber visitas, passei a mentalizá-la na oração todos os dias. Depois de três meses de cuidados intensivos, no corrente mês, ganhou a permissão de passar para a sala de visitas em estado de recuperação.  Está cada dia melhor, graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama.

Com essas experiências de fé, aprendi que com esta pandemia que estamos a viver, Deus deu-nos mais força e tempo para prestar atenção aos nossos familiares e vizinhos.

Comprometo-me em dar continuidade na Obra Divina. Aprofundar cada vez mais na dor e no sofrimento das outras pessoas.

Sou cadastrada, tenho a horta caseira e o altar do lar. Faço dízimo, donativo de construção e diário. Além disso, ensino às outras pessoas a praticarem também.

Agradeço a Deus, Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados a permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação. Aos ministros, responsáveis, membros e frequentadores e a todos que direta ou indiretamente me ajudam a crescer na fé, o meu muito obrigada

Leia também: