JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA – NJ FELIMAR – LUANDA – ANGOLA
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Chamo-me JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA, sou membro e dedico como assistente do grupo Lua.

Conheci a Igreja Messiânica em 2007, por intermédio da minha esposa, membro da nossa igreja.

Os motivos que estiveram na base do meu encaminhamento foram: dificuldades financeiras, conflitos conjugais e familiares, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e dor de estômago.

Eu não conseguia passar uma semana sem consumir bebidas alcoólicas, e isto tornou-se a causa dos conflitos conjugais. Também, não conseguia sustentar os meus filhos pois, sempre que recebesse o salário, este acabava no pagamento das dívidas, ficando apenas com o dinheiro de transporte para ir trabalhar, o qual ainda era insuficiente. Entretanto, a minha esposa conheceu a Igreja Messiânica, mas, pedi que ela deixasse de frequentar, mesmo tendo visto a minha filha melhorar a saúde com o Johrei.

Mas, minha esposa preferiu continuar a frequentar a igreja, dizendo que aceitaria a separação. Isso fez-me abandonar a casa, porém, não aguentando, uma semana depois regressei.

Foi nesta altura que também ganhei a permissão de conhecer a Igreja. No Johrei Center fui recebido pela plantonista que após ouvir-me atentamente, orientou-me as práticas básicas da Fé Messiânica.

Tive dificuldades em praticar, devido às crenças antigas, mas, mesmo assim, notei várias mudanças em mim e na minha família. Para retribuir a Deus e ao Messias Meishu-Sama, materializei o donativo de ingresso na fé e o de outorga, tornando-me membro em 2008.

Posteriormente surgiram-me ainda outras mudanças como:

Deixei de contrair dívidas, eu e a esposa reduzimos bastante o uso de bebidas alcoólicas; os conflitos diminuíram, passamos a ultrapassar toda e qualquer purificação apenas com a ministração de Johrei. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, agora consigo sustentar os meus filhos com o meu salário.

A seguir, passo a relatar uma experiência relacionada à limpeza e vivência da flor.

Depois que me tornei membro, trabalhava e ao mesmo tempo encontrava tempo para dedicar. Porém, à medida que o tempo foi passando, perdi força nas dedicações e quando a minha esposa chamava-me a atenção em relação ao servir na Obra Divina, eu alegava não ter tempo ou que estava cansado. Não bastasse, comecei a ter dificuldades em materializar o donativo diário. Quando orientavam-me a fazer o donativo especial cumpria mas, com o sentimento de que o mesmo já estaria a cobrir todas dedicações em falta. Adicionado a isso, parei de ministrar Johrei em casa.

Em 2018 começaram a despedir vários funcionários da empresa em que trabalho. Isso afligia-me muito, e fiquei com medo que chegasse a minha vez. O meu medo veio a concretizar-se no mês de Fevereiro do corrente ano, quando a empresa decretou falência e despediu a maior parte dos funcionários, entre os quais, eu!

De início, fiquei tranquilo e fui gerindo os valores que tinha de poupança. Porém, quando isso acabou, entrei em sofrimento. Diariamente, ficava a pensar como encontraria um outro emprego. Entretanto, em março, recebemos a visita da ministra da área em nossa casa, que ouviu atentamente a minha reflexão profunda e posteriormente fez a vivência da flor. No final, orientou-me a fazer o Oniku e a participar diariamente na oração matinal e no desafio de oração às 21:00 horas, junto com a família. Orientou ainda que eu me enquadrasse em algum grupo na unidade religiosa para passar a dedicar dentro da ordem.

No mesmo mês, tive a permissão de participar da limpeza em 2 casas de frequentadores, onde fizemos a vivência da flor e ministramos Johrei nas famílias. No entanto, quando foi decretado o estado de emergência, parei de dedicar, mas, continuei a assistir os cultos online.

No culto do Paraíso Terrestre, após ouvir a orientação de passarmos a fazer limpeza nos focos de lixo como preparação ao Culto às Almas dos Antepassados, decidi também participar. Assim, no dia 4 de Julho, participei da campanha de limpeza ao redor da Unidade religiosa. Graças a Deus, depois de 3 dias, ligaram-me da empresa de onde fui despedido. Perguntaram-me simplesmente se ainda estava disposto a prestar serviços. Respondi afirmativamente e Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, voltei a trabalhar depois de cerca de 5 meses desempregado. Como gratidão, fiz um donativo especial!

Aprendi que, como membros, precisamos nos empenhar nas dedicações sem esperar recompensas por parte de Deus, pois as coisas acontecem naturalmente e por merecimento!

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus Antepassados pela permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação!

A todos que partilharam do relato da minha experiência de fé, o meu muito obrigado!

Leia também: