AMÉLIA MUCHIA – CA DUNDO/LUNDA NORTE/ANGOLA

Chamo-me Amélia Muchia, dedico como encarregada das hortas caseiras na rede salvação. Conheci a Igreja Messiânica em 2011, por intermédio dos meus antepassados.

Os motivos que estiveram na base do meu ingresso na Fé Messiânica, foram: perturbações mentais durante 2 anos, o que fez-me percorrer por quimbandas e hospitais. Um dos quimbandas dizia-me que eu não estava maluca, mas eram problemas dos espíritos.

Situação essa que causou a separação com o meu marido. Eu passava o tempo no cemitério a dormir nos túmulos.

Até que certo, dia ouvi uma voz a dizer: “Olha nós não somos ainda a sua família mas, espera que vamos chamar aquele que estas a procurar!”. Minutos depois, começou a soprar muito e assim ouvi a voz do meu avô, falecido há muitos anos. Ele disse-me: “Olha, não se preocupe que isso vai passar! Vai procurar a igreja que oferecem flores e levantam a mão!”.

Foi assim que me encontrei com o Messias Meishu-Sama. Na igreja, fui bem recebida pelo plantonista que ouviu atentamente o meu relato de sofrimento e orientou as práticas básicas da Fé Messiânica.

Cumprindo com a orientação, em apenas uma semana, a minha mente voltou ao estado normal!

Para agradecer a Deus e ao Messias Meishu-Sama, materializei um donativo especial. Em seguida, fiz o donativo de ingresso na fé e de outorga, que se concretizou no mesmo ano!

A experiência de fé que passo a relatar aos senhores, está relacionada com a flor de luz!

No mês de maio do ano em curso, comecei a purificar com febres altas e o meu útero saiu do lugar. No hospital materno infantil, depois de observada, acharam melhor internar-me pois o meu caso era muito grave. Fui observada por 5 médicos dentre os quais, uns diziam que seria difícil fazer a operação do útero e se tentassem, eu poderia mesmo morrer. Outros diziam que nunca viram o útero fora do lugar daquele jeito!

A minha filha, ouvindo isso, ficou sem jeito e pensando já no pior, começou a fazer-me perguntas sobre os bens que eu tinha em casa, confirmando se tudo me pertencia e depois foi para casa. De noite, teve um sonho com um senhor que parecia o meu irmão mais novo que já partiu para o mundo espiritual. O mesmo fez-lhe a seguinte pergunta: “Já estás cansada de frequentar o hospital? Quando a sua mãe pede ajuda financeira para participar de alguma actividade religiosa, você não se interessa e até contesta! Tu pensas que o dinheiro é seu? Nós estamos a acompanhar tudo que se passa com a sua mãe!” – continuou: “O dinheiro é nosso, nós é que enviamos! Eu sou o teu tio! Em vida chamavam-me de “Panda”! Olha, amanhã vai já falar para a tua mãe para não ter medo pois, ela não será submetida à operação cirúrgica!”.

No dia seguinte ela veio ao hospital e logo perguntou-me se eu conhecia alguém na família com o nome de “Panda”.  Respondi que sim e  se tratava do meu irmão mas, já era falecido. Assim, ela contou o sonho que tivera. Para o meu próprio espanto, ao ouvir o seu relato, ganhei outro ânimo e mesmo com dificuldades de andar desde a entrada ao internamento há dois meses, ganhei força, e ainda com as dores pensei: “Tenho que fazer alguma coisa!”. Então, peguei na tesoura que tinha na pasta, fui no quintal do hospital onde haviam algumas flores ali plantadas pelos fiéis da Igreja Messiânica que por vezes vão dedicar no hospital. Organizei os vasos, preparei as flores, pedi a Deus e Meishu-Sama para conceder-me força. Comecei a distribuir as flores pelos demais pacientes que lá se encontravam. Assim que comecei a distribuir as flores pelas salas, as críticas dos doentes também começaram. Uns diziam que eu estava a perder  tempo; os outros comentavam: “Mas, as outras estão a ser operadas e tu não, porquê? Você já está há muito tempo aqui e do nada apareces com flores!!”.

Enquanto todos falavam, eu apenas agradecia do fundo do coração e isso deu-me força para não parar com a distribuição!

Dias depois, comecei a ter problemas de respiração. O médico observou-me e notou que  tinha problemas nos pulmões. Orientou a fazer outra consulta no hospital sanatório. Lá, fui internada e permaneci durante 15 dias ao fim dos quais, milagrosamente o meu útero já estava no seu estado normal.  Por um lado, os médicos do hospital maternidade esperaram pela recuperação dos meus pulmões para posteriormente proceder com a cirurgia. Mas, por outro lado, as dores que me causavam tanto sofrimento cessaram, e recebi alta do sanatório. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama estou bem, e já em casa exercendo as minhas actividades domésticas normalmente.

Para agradecer a Deus e ao Messias Meishu-Sama, materializei um donativo especial e vou continuar a agradecer pois, o que Deus fez por mim não tem preço!

Nada é impossível quando entregamos os nossos problemas à Deus! A bondade divina se manifesta pelas advertências dos nossos antepassados, pois por meio delas, damos conta de pontos em que falhamos. Toda a experiência que vivi, me fez perceber que realmente, fé é confiança!

O meu compromisso é de aprofundar na missão de servir o meu próximo e manter-me firme na pratica de distribuição de flores de luz para as outras pessoas!

Agradeço ao o Supremo Deus, Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados, especialmente ao irmão que foi utilizado para meu encaminhamento a este maravilhoso caminho da salvação!

88 Views

Partilhar amor

Procura mais alguma coisa?

Relacionados:

Experiência de fé do dia
Reminiscência do dia
Ensinamento | Estudo Diário