Saudação do Presidente da Igreja Messiânica Mundial de África – Novembro 2023

Culto Anual às Almas dos Antepassados e

Culto Mensal de Gratidão de Novembro 2023

Saudação do Presidente da Igreja Messiânica Mundial de África

Reverendo Claudio Cristiano Leal Pinheiro

02 de Novembro de 2023

Bom dia a todos!

Estão todos a passar bem?

Parabéns a todos pelo Culto Mensal acumulado com o culto Anual às Almas dos antepassados!

Gostaria de expressar o meu sincero agradecimento pela presença de todos e pelo esforço sincero que cada um tem feito. Este esforço é fundamental para a expansão da Obra do Messias Meishu-Sama e a disseminação de seus ensinamentos em Angola, em todo o nosso querido continente africano, bem como em outros lugares como Rússia e Cuba.

Quero parabenizar a todos pelo sucesso na preparação do culto anual dos antepassados e também para o nosso culto do Natalício do Messias Meishu-Sama, que será realizado no mês de Dezembro. Ontem, tivemos a permissão de realizar o culto anual dos antepassados em três países diferentes. É importante observar que em alguns países, como a República do Benim, República do Congo e República de Cabo Verde, o dia de Finados é celebrado no dia 1 de Novembro, ao contrário de Angola e Brasil, que o celebram no dia 2.

Agradecemos a Deus e ao Messias Meishu-Sama por nos conceder a oportunidade de realizar esses cultos em países diferentes. Hoje, estamos realizando o culto aqui em Angola, na República Democrática do Congo, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, e no domingo será realizado em Moçambique, coincidindo com o Culto Mensal de Gratidão.

Parabéns a todos por participarem desta cerimónia que já está ocorrendo em vários países. Espero que em breve possamos realizar esse culto simultaneamente nos 54 países africanos, expressando nossa gratidão ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos nossos ancestrais e antepassados.

Quando falamos sobre a construção em Cacuaco do nosso Templo Messiânico, lembramos do Santuário dos Antepassados, conhecido como Soreisha. O santuário provisório que temos aqui é uma representação anual desse culto. No entanto, quando construirmos o templo em Cacuaco, será algo definitivo, onde nossos antepassados serão cultuados diariamente. Portanto, é crucial o nosso esforço e participação na construção desse templo.

Conforme ouvimos nas experiências de fé compartilhadas, é essencial ter consciência da nossa missão como messiânicos, representantes do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama neste planeta. Estamos vivenciando o que Jesus chamou de “juízo final”. Meishu-Sama alertou sobre esse momento de ajuste de contas global, que inclui o aumento de doenças, guerras, conflitos e crises financeiras – uma acção de limpeza mundial.

Nós, que temos a permissão de conhecer os ensinamentos de Meishu-Sama, precisamos cumprir nosso papel nesse momento crítico. Devemos servir as pessoas que têm afinidade connosco e orientá-las a se juntarem a nós na construção do Paraíso Terrestre. Muitas pessoas, ao verem a situação do mundo, se perguntam o que podem fazer. A resposta é clara: seguir os ensinamentos de Meishu-Sama e desempenhar nosso papel na construção de um mundo melhor!

Para melhorar, precisa começar por cada um de nós. Por isso que nós ouvimos o ensinamento hoje: Fé é confiança. Nesse ensinamento, Meishu-Sama deixa bem claro que existem muitas pessoas que seguem uma religião ou crença, mas é raro o homem de verdadeira fé. E para ultrapassarmos essa fase, nós vamos precisar cultivar uma verdadeira fé, uma fé que nos liga ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama, uma fé alicerçada na prática.

Como diz um ditado: “mais vale uma gota de prática do que um oceano de teorias.” Então, nesse momento que surgem as dificuldades nas nossas vidas, as dificuldades vão acelerar no mundo todo, vai precisar cada um estar centralizado no Supremo Deus e no Messias Meishu-Sama. Cada um de nós precisa estar alinhado com Deus para no momento das grandes turbulências que vão surgir no nosso dia a dia.

Ninguém está livre de surgirem problemas inesperados a nível pessoal, a nível familiar, a nível colectivo. Nós estamos vendo o que está acontecendo no planeta. Se nós não tivermos serenidade para Meishu-Sama poder nos utilizar para salvar as pessoas à nossa volta, vamos nos deixar engolir pelos problemas. Por isso, no dia de hoje nós estamos agradecendo ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama, aos nossos antepassados e é um momento dessa nossa reflexão, como eu disse dias atrás para os ministros. Depois falei para os missionários também: “hoje eu estou aqui com vocês, nós estamos cultuando os antepassados, os nomes deles estão no formulário, amanhã nós vamos estar do outro lado, não é assim? Ou alguém aqui fez contracto de ficar para sempre? Alguém recebeu essa promessa quando se tornou membro? Então, todos nós vamos retornar para o Mundo Espiritual. Que tipo de antepassado eu quero ser para os meus descendentes? O antepassado de luz, que ilumina, que guia, ou quero ser um fantasma que vai ficar assombrando eles? Alguém quer ser o fantasma?

Muitas vezes, quando se fala sobre Mundo Espiritual, nós achamos algo distante, que não tem nada a ver comigo, mas nossa relação com o mundo espiritual é íntima e inseparável. E o antepassado que eu vou ser quando retornar para o mundo espiritual, eu começo a me tornar a partir de hoje e agora. A partir do que eu faço no dia a dia, do que eu somo no dia a dia, do que eu planto no dia a dia. A partir do que eu estou sendo em casa para a minha família, no meu local de trabalho, na igreja, na sociedade, é isso que eu vou continuar sendo, quando retornar para o Mundo Espiritual.

A maioria dos nossos antepassados não tinha essa consciência, por isso não aproveitou a oportunidade que teve aqui no mundo material para evoluir praticando o bem, somando virtudes, fazendo o próximo feliz. Por isso, o que deixa de herança é sofrimento. Por isso, cada um de nós, ouvindo as experiências de fé, estudando os ensinamentos de Meishu-Sama precisa começar a reflectir: com que objectivo Deus me concedeu a vida? Para eu poder evoluir, para eu poder cada vez mais me aproximar de Deus, crescer espiritualmente, servindo meu próximo, servindo à humanidade. Esse é o grande exemplo que Meishu-Sama nos deu. Esse ensinamento de hoje eu gostaria que cada um de nós lesse diariamente durante o mês de Novembro, reflectindo. Meishu-Sama fala: “Como devemos agir para nos tornarmos autênticas pessoas de fé? Teoricamente, é simples. Ser alguém que mereça a confiança do próximo, por exemplo, que as pessoas possam comentar a seu respeito: “Não há erro no que ela diz. Aquela pessoa é magnífica. Posso me relacionar com ela sem nenhum receio.”. E como devemos proceder para obter tal confiança? Isso não é difícil. O essencial é não mentir e favorecer primeiramente o próximo, deixando os próprios interesses em segundo plano.”; não mentir e colocar a felicidade do nosso próximo em primeiro lugar, porque Meishu-Sama fala muito sobre a questão de mentira. Quando a pessoa mente, é porque ela não acredita que existe Mundo Espiritual. Eu posso mentir bem para todo mundo, mas o mundo espiritual registra o que eu faço. Eu vou colher o que eu fiz, não o que eu estou dizendo que fiz. Quando a pessoa acredita no invisível, ela não vai ter mais o vício da mentira na sua vida. Ela vai usar a palavra com a consciência de que o espírito da palavra é Deus.

Nós criamos formas que nos ligam com o Paraíso ou com o inferno de acordo com o que sai das nossas bocas. Nossos sentimentos, nossas palavras, nossas acções, tudo isso precisa ser manifestado com responsabilidade porque não podemos mais perder tempo. Tudo está acontecendo muito rápido e essa entrega nossa a Deus e a Meishu-Sama, essa postura nossa de preocupar em fazer o nosso próximo feliz, participar da construção do Paraíso não podemos deixar mais para amanhã, para um dia que despertar. Precisamos começar a praticar, um dia de cada vez o nosso esforço ministrando Johrei, dando assistência a quem não conhece, acompanhando quem já conhece, levando a flor no dia a dia, na porta da unidade, onde a gente trabalha, onde a gente estuda, na nossa rua.

Nós tivemos acesso às experiências marcantes que começaram a acontecer em toda a África nessa preparação. Com a intensificação das práticas básicas, observamos mudanças profundas na vida das pessoas, como nós ouvimos o relatório que a nossa vice-presidente contou hoje. Se ela fosse relatar tudo o que nós recebemos, nós vamos ficar a tarde toda aqui só ouvindo experiências de fé, ela escolheu só algumas para relatar para vocês.

Vocês gostaram das duas que foram relatadas hoje? Mais uma salva de palmas para os nossos irmãos.

São duas experiências também marcantes para nós nos prepararmos para o natalício de Meishu-Sama. Bem interessante a forma como a nossa irmã foi encaminhada, não é? O quimbadeiro disse para ela:’ minha filha, eu não consigo resolver isso, só a Igreja Messiânica para resolver teu problema!”. É bem interessante quando a gente fala sobre encaminhamento.

Nós estamos nos preparando para o Natalício de Meishu-Sama. Sempre falo para vocês que é essencial nós entendermos a missão de Meishu-Sama! Ele não veio para substituir Jesus no coração e na vida dos cristãos, nem Maomé, no coração dos muçulmanos, ou Buda no coração dos budistas. Meishu-Sama veio concretizar o que os outros profetizaram. Cada um tem sua missão dentro do Plano de Deus. O professor que me deu aula na primeira classe, ele é menos importante do que o professor que me deu aula na universidade? Ele é inferior? Não. Todos são importantes para minha evolução. É único no momento que eu tive contacto com ele, ele foi o único para o meu aperfeiçoamento pessoal. Nenhum é superior ou inferior ao outro. Todos dentro do plano de Deus, têm a sua missão e Meishu-Sama recebeu do Supremo Deus essa missão de salvar a humanidade e construir o Paraíso. E todos os outros religiosos estão dentro dessa missão como Meishu-Sama, Buda, Jesus, Maomé. Os outros profetas, grandes pensadores, grandes autoridades espirituais que não são famosas como os fundadores das principais religiões, todos estão dentro do Plano Divino. Por isso que é muito importante essa nossa compreensão, para apresentarmos Meishu-Sama para as pessoas. Muitas vezes nós temos o preconceito: “Ah, espera aí, mas o fulano tem a religião dele”. Não é assim que acontece muitas vezes? Quem traz a pessoa para nossa igreja são os antepassados dela, por permissão dos seus ancestrais. Meishu-Sama, uma vez ao conversar com um jornalista perguntando sobre a missão dele, falou: “Minha missão é de salvar o mundo.” Aí o jornalista diz: “Mas, se falar isso para os cristãos…” Meishu-Sama diz: “vão dizer que eu sou um anticristo, não é?”  Aí o jornalista diz: “sim, já que o senhor está falando claro, sim”. Meishu-Sama riu e falou: “Não tem problema, no tempo certo, o espírito de Jesus Cristo é que vai trazer os cristãos para a Religião Messiânica!”. Do mesmo jeito que o espírito de Buda está trazendo os budistas, Maomé está trazendo os muçulmanos. Cada um está sendo trazido de acordo com a sua afinidade.” Existe os que têm afinidade com religiões tradicionais, como a nossa irmã relatou. Hoje, estão sendo encaminhados por essas pessoas. Tudo está dentro do Plano de Deus. O que nós precisamos entender é que até então não havia luz e por isso o mundo estava, e ainda está mergulhado na doença, na pobreza e no conflito. Nós estamos nos preparando para o Natalício do Messias Meishu-Sama. Ministra Tininha falou, para depois poder visitar no Sanguetsu a exposição com algumas fotos dos Solos Sagrados do Japão.

Nós tivemos lá recentemente, participando da caravana da África. Fomos com 46 caravanistas do continente africano, participamos do culto no Solo Sagrado de Atami. Os senhores vão poder ver algumas fotos. No culto de Dezembro, vamos preparar mais fotos para todos poderem ver melhor ainda. Ali nós conseguimos visitar o local onde Meishu-Sama nasceu, onde Ele morou, onde foi sepultado, os primeiros Solos Sagrados que Ele construiu, onde Ele estudava, onde Ele trabalhava, tudo isso. Tivemos a permissão de visitar, de conhecer. E esse aqui é o primeiro volume da biografia Dele: Luz do Oriente.

No ensinamento que tem o título do livro Luz do Oriente, Meishu-Sama fala: “Creio que a expressão Luz do Oriente tenha surgido há cerca de 2 000 anos em determinada parte da Europa, tendo-se propagado gradativamente a ponto de hoje não existir quem a desconheça. No entanto, pelo fato de seu verdadeiro significado não ter sido conhecido, até agora, ela continua sendo um enigma. Assim sendo, gostaria de expor seu real significado. Luz do Oriente era, na realidade, uma profecia sobre mim. Creio que não haverá quem não se surpreenda ao tomar conhecimento dessa verdade e já que as pessoas não conseguirão aceita-la de imediato, vou tentar esclarecê-la, apresentando fatos que comprovam a minha afirmação”. Aqui, Ele fala sobre o local onde Ele nasceu no extremo leste do Japão e sempre Ele foi se mudando na direcção do Oeste. Até que Ele mudou para Hakone, depois para Atami, por último, para Kyoto.

Foi dentro da casa no Solo Sagrado de Kyoto, que Ele falou pela primeira vez: “Eu sou a Luz do Oriente!” Essa luz que veio para poder iluminar todos os povos e queimar a causa do sofrimento da humanidade. A causa da doença, da pobreza e do conflito, queimará através dessa luz que o Supremo Deus concedeu à Meishu-Sama para Ele poder construir o Paraíso aqui na face da Terra. No final do ensinamento Ele fala: “Assim sendo, posso afirmar com toda a segurança e sem erro, que as pessoas que acreditarem em minhas palavras e procederem em conformidade com elas, conseguirão obter a verdadeira felicidade. Em suma, vou purificar de uma só vez toda a água turva lançada até hoje do Oeste para o Leste e devolvê-la-ei para o Oeste e construirei um mundo ideal e cristalino”. Ele publicou isso em 12 de Novembro de 1952, falando da missão Dele de construir esse mundo da Grande Luz. Por isso que tudo que tem contacto com o que é relacionado com o Messias Meishu-Sama, tem contacto com essa luz. Através da luz do Johrei se purificam as máculas do espírito, a pessoa se eleva através da luz das flores que nós distribuímos e através da luz das hortas que nós fazemos. Na experiência que o irmão relatou, ele fez a limpeza na escola, montou a horta, depois começou toda aquela mudança, não foi assim que ele contou para gente hoje?

Por que que acontece isso? É por acaso? Não. Porque fizeram a limpeza e fizeram uma horta com o sentimento de praticar o que Meishu-Sama fala sobre o Belo e sobre agricultura natural, criaram esse modelo. Limparam-se as máculas que não deixavam aquele local progredir porque ali entrou a luz do Messias Meishu-Sama!

Quando nós lemos os ensinamentos de Meishu-Sama, tudo isso permite que a luz – essa Luz do Oriente – limpe as nossas máculas, nossas, dos nossos ancestrais antepassados e nos eleve espiritualmente, nos qualificando para participar da construção do Paraíso Terrestre.

Eu quero agradecer mais uma vez do fundo do coração pela preparação maravilhosa que todos fizeram para esse culto de hoje, não só aqui, mas em todos os países da África. Contudo, gostaria de pedir a todos para dobrarmos o nosso esforço na preparação para o culto do Natalício do Messias Meishu-Sama. O que salva os nossos antepassados que nós cultuamos ali é se ligarem com a luz do Messias Meishu-Sama. Por isso, nossa gratidão pelo nascimento do Salvador da humanidade precisa ser cada vez mais elevada, mais profunda, mais sincera!

Essa preparação que fizemos – como vimos no relatório da vice-presidente e nas duas experiências de fé – deve continuar. Vamos continuar visitando as casas, a grande dedicação de limpeza, de eliminar os focos de lixo nos bairros em volta das unidades. Os membros e frequentadores começaram a fazer campanha de limpeza nas suas ruas e despertaram os vizinhos para participarem também, começarem a plantar árvores no seu bairro, a fazer hortas nos asilos, nos orfanatos, nas escolas. Plantando alimento para as pessoas consumirem e plantando flores para que dali já saiam as flores para fazer Ikebana nos cómodos dessas casas, dessas instituições. Vamos levar essa luz do Messias Meishu-Sama, é isso o que o nosso planeta mais precisa nesse momento.

Cada pessoa com que nós estivermos, vamos ministrar Johrei, oferecer a flor, encaminhar, começar a acompanhar e cuidar da casa dela. Ela faz parte da humanidade. O aumento das famílias comprometidas com a construção do Paraíso terrestre e o que permitira a construção desse mundo da grande luz, é o que vai gerar luz para o nosso planeta inteiro e transformar esse quadro sombrio que o nosso mundo está a viver hoje.

Nós, Messiânicos, temos essa grande responsabilidade de anunciar para o mundo a vinda do Messias Meishu-Sama, não através de palavras, mas através das nossas atitudes, das práticas no nosso dia a dia; através de cultivarmos o altruísmo, o espiritualismo começando dentro da nossa casa, com a nossa família, onde a gente trabalha, onde a gente vive, onde nós frequentamos. Vamos levar o amor do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama através desse sentimento sincero de fazer o nosso próximo feliz, de querer aumentar o número de pessoas que podem ser úteis na construção do Paraíso, na salvação da humanidade.

Com esse sentimento, junto com todos vocês, eu quero me empenhar também na preparação do Natalício do Messias Meishu-Sama. Vamos fazer de uma forma que seja um natalício como nós nunca preparamos até hoje, vamos oferecer esse presente para Deus, Meishu-Sama e para os nossos ancestrais e antepassados. O culto vai ser aqui na Sede Central da África, no próximo dia 17 de Dezembro para os caravanistas das províncias e dos outros países também participarem. As unidades farão no dia 23, que é o dia do nascimento de Meishu-Sama, mas aqui na sede vamos fazer no dia 17 de Dezembro.

Posso contar com a presença de todos? Sim ou não? Então, mais uma vez, muito obrigado. Parabéns a todos pelo dia de hoje. Uma boa missão nesse mês de Novembro para todos.

Muito obrigado a todos!

238 Views

Partilhar amor

Procura mais alguma coisa?

Relacionados:

Experiência de fé do dia
Ensinamento do dia
Reminiscência do dia
Ensinamento | Estudo Diário