Maria Ibraímo . JC Central – Moçambique

Chamo-me Maria Aíssa Hossumane Ibraímo, sou frequentadora e dedico no Johrei Center Central.

Conheci a Igreja Messiânica em 2004, por intermédio da minha mãe.

Em 2004, a minha mãe foi encaminhada por uma amiga e tendo a minha mãe nos convidado, fui com ela e o meu irmão à igreja. Frequentamos durante algum tempo, mas a minha mãe decidiu voltar à igreja que frequentava dantes. Como ainda éramos crianças, tivemos que passar a ir à igreja dela.

Estou numa relação há 5 anos. Depois do casamento, comecei a ter conflitos com o meu marido, que vinham se intensificando cada vez mais. O meu marido chegou ao ponto de falar em separação. Ele não conseguia dormir bem, pois durante a noite, por vezes, gritava durante o sono.

Tentando resolver essa situação, busquei solução em casas de curandeiros, onde diziam que a minha família era contra o meu casamento, que uma das minhas tias paternas tinha me tirado a sorte e minha sogra colocava remédios nas minhas coisas para eu sair de casa.

Assim, fazia muitas práticas que me eram orientadas, mas não surtiam efeitos. Distanciei-me da família e desenvolvi o medo de manter contacto devido a esses conflitos. Sempre que me encontrava aflita por algum motivo, eu lembrava-me do Messias Meishu-Sama e por isso, em 2019, ou seja, 15 anos depois, resolvi voltar à igreja. Fui atendida por um missionário e orientada a cumprir com as práticas básicas de fé messiânica.

Nessa época, como queria uma solução rápida para os meus problemas, deixei de cumprir com as práticas básicas e arranjava desculpas para não fazer. Os missionários davam-me assistência e acompanhavam-me, mas como pensava que nada estava a mudar, decidi me afastar da igreja mais uma vez.

Os problemas que me afligiam se intensificaram e mais uma vez, pensei em voltar a igreja porque lembrava-me sempre de Meishu-Sama, mas iniciou o estado de emergência, que me impossibilitou de fazê-lo, pois tenho uma filha pequena e não tenho com quem deixá-la. Além do mais, ela chorava muito e não sabíamos o porquê e nem como confortá-la. Chorava até durante o sono e quando acordasse, o choro continuava, situação esta que não tínhamos o menor controle.

Por outro lado, eu sofria de cólicas e pontadas muito fortes, motivo pelo qual tomava comprimidos, mas não surtiam o efeito desejado.

Até que, certo dia, o meu irmão, que já é membro da igreja, falou-me dos cultos diários que são transmitidos no Facebook e assim comecei a assisti-los. Nos finais de Abril, no terceiro culto que assisti, a experiência de fé e as palavras do nosso Presidente da igreja, Reverendo Cláudio Cristiano Leal Pinheiro, tocaram-me profundamente e fizeram-me perceber que o problema não era a igreja e nem as pessoas que eu culpava, mas que a causa dos meus sofrimentos estava dentro de mim.

Continuei a assistir os cultos frequentemente e contactei um missionário no Facebook, há quem relatei a minha situação e ele orientou-me a fazer oração diariamente, estudar os ensinamentos do dia, servir em casa através das pequenas acções altruístas e fazer o donativo diário de gratidão, deixar guardado para depois levar a unidade. Posteriormente, ele encaminhou-me ao Ministro, que me orientou a orar por pelo menos 10 pessoas que estivessem a passar pela mesma situação que eu, fazer o donativo de construção e oração de pedido de perdão aos antepassados, fazer a horta caseira e buscar agradecer sempre.

Empenhei-me em cumprir com as práticas que me foram orientadas e passei a encarar as purificações que passava com sentimento de gratidão. Assim, gradativamente, a minha vida foi mudando.

Duas semanas depois, os choros constantes da minha filha cessaram por completo, assim como as cólicas e pontadas que eu sentia.

Os conflitos em casa diminuíram consideravelmente e o meu marido passou a dormir bem. Antes, eu tinha me distanciado da família do meu marido, mas agora, graças à Deus e ao Messias Meishu-Sama, estamos cada vez mais próximos.

A minha cunhada que não me visitava porque a mãe não permitia, passou a vir e conversamos com mais frequência. A minha sogra já me liga para saber como estamos e percebo que se preocupa mais connosco. O meu marido que não queria que eu trabalhasse, agora me incentiva a procurar um emprego. A minha filha, de apenas um ano e nove meses de idade, vendo-me fazer oração com frequências certo dia, chamou as amiguinhas e mandou-lhes fazer oração com ela. Surpresa, filmei o que estava a acontecer e mostrei o vídeo à minha tia. Ela ficou tão comovida que resolveu voltar à igreja e reassumir o seu compromisso como membro, uma vez que estava afastada da igreja.

Com essa experiência de fé, aprendi que devemos colocar tudo nas mãos de Deus e Messias Meishu-Sama, pois quando confiamos em Deus, tudo dá certo. Aprendi também que devemos ter paciência e agradecer por todas as purificações.

Para agradecer por todas estas graças, fiz um donativo especial de gratidão.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus Antepassados por tudo que têm feito na minha vida.

Muito obrigada!

85 Views

Partilhar amor

Procura mais alguma coisa?

Relacionados:

Experiência de fé do dia
Reminiscência do dia
Ensinamento | Estudo Diário