Palavras do Presidente da Igreja Messiânica Mundial de África

Culto Mensal de Gratidão Alusivo à Coluna do Belo

4 e 5 de Setembro de 2021

Saudação do Presidente da Igreja Messiânica Mundial de África

Reverendo Claudio Cristiano Leal Pinheiro

Bom dia a todos!

Os senhores estão a passar bem?

Parabéns pelo culto Mensal de gratidão alusivo à coluna do Belo!

Parabéns a todos os senhores!

Gostaria de agradecer do fundo do coração por todo esforço que os senhores tem feito em prol da expansão da Obra do Messias Meishu-Sama em Angola e por todo nosso querido continente Africano! Em particular, quero agradecer profundamente a todas as pessoas que dentro da nossa Religião Messiânica e na sociedade em geral, à nível do mundo inteiro, têm se dedicado à construção de um mundo melhor através da prática do Belo no seu dia-a-dia, levando isso para a sociedade . Parabéns a todas essas pessoas!

Muito importante nós aprofundarmos na visão de Meishu-Sama, quando ele fala que o Paraíso é o mundo do Belo. Eu gostaria também de lembrar a todos, que esse mês de setembro, em âmbito internacional, é celebrado o Setembro Amarelo alusivo à prevenção contra o suicídio que é um fenómeno que tem crescido muito em todos os países do mundo.

No mês de junho deste ano, segundo dados da OMS Organização Mundial da Saúde, no ano de 2019 mais de 700 mil pessoas se suicidaram no mundo todo. Mais de 700 mil pessoas, significa que nesse ano de 2019, morreram de suicídio mais pessoas do que morreram vítimas do HIV Sida, do que da malária, e vítima de guerras, de homicídios. De cada 100 pessoas, oficialmente, uma morreu por ter cometido suicídio.

Então, muitas vezes nós vemos pessoas que aparentemente parece que está tudo bem mas, ela está sofrendo muito interiormente com problemas na sua vida! Assim  também acontece muito da pessoa que é acusada de bruxaria, disso ou daquilo.  Um dos pontos que leva as pessoas ao suicídio realmente   é  a desesperança, tipo não tem como sair do problema que eu estou a viver! Mas, também já que nós estamos a falar da salvação através do Belo, quando Meishu-Sama fala de prática do Belo, ele fala que o principal é o nosso sentimento. Então, a falta do nosso sentimento de amor ao próximo, de querer fazer o próximo feliz é um dos pontos que leva a aumentar esse número de suicídios. Ou seja, é a indiferença em relação à dor do próximo e do mundo.

Muitas vezes nós vamos a algum lugar público, vemos as pessoas  serem atendidas às vezes de qualquer forma, alguém chega quer passar na frente, ninguém sabe o quê Quem está ali, está vivendo naquele momento. Às vezes você fala de qualquer forma com a pessoa no trabalho, na rua mas, você não sabe o que ele deixou em casa, se deixou alguém à beira da morte ou com algum outro problema; você não sabe o que ele vai ter que enfrentar logo em seguida! Nós tratamos as pessoas como se não fossem nada, muitas vezes dentro do nosso próprio lar, com a nossa família de sangue, no trabalho e até na igreja, muitas vezes.

Então, é muito importante nós refletirmos quando se fala de prevenção contra o suicídio, a verdadeira prevenção é o aumento do nosso amor altruísta! Como lemos na oração do culto mensal, aumentar o nosso altruísmo, o espiritualismo, nos tornando pessoas simpáticas, pioneiros da salvação de outras pessoas.

Cada um está vivendo uma batalha que só o próprio é que sabe. Por isso, na dúvida, trate o próximo como você gostaria de ser tratado. Com respeito, com dignidade, isso em casa, no trabalho, na escola, em qualquer lugar!

Nós vemos, com o avanço das redes sociais, as pessoas acham que têm o direito de falar o que querem, humilham, detonam, acabam com a imagem das pessoas, sem medir consequências, de que tudo o que nós pensamos, sentimos, falamos e fazemos é semente da nossa felicidade ou da nossa infelicidade!

Cada um de nós pode e deve fazer a diferença na vida do nosso próximo. Sendo mais gentil, desenvolvendo bondade e cortesia, medindo a nossa forma de falar , sabendo praticar no dia a dia a partir do nosso lar, o por favor, muito obrigado, desculpe, eu errei, pequenas coisas que vão fazer uma diferença muito grande para quem não recebe nada disso no dia a dia.

Vamos procurar servir como uma luz na escuridão que muitas pessoas vivem no seu dia-a-dia! Essa é a essência de Meishu-Sama. E quando falamos de prática do Belo, a forma do Belo é maravilhosa, na ikebana, na música, no teatro, na literatura, mas nós nunca podemos esquecer que quando falamos que o paraíso é o mundo do Belo, começar pelo Belo do meu sentimento, e eu preciso buscar cada vez mais polir e refletir como eu estou a transmitir para o meu próximo, começando em casa, com a nossa família, que é com quem mais convivemos no dia-a-dia.

Os senhores gostaram da experiência de fé que foi lida? Mais uma salva de palmas para a Irmã Luísa! Ela foi outorgada na semana passada, no sábado dia 28 de agosto. Ela mostrou para nós que antes de receber o ohikari,  conseguiu começar a ser instrumento para mudar a vida de muitas pessoas. Ela não podia ministrar Johrei mas, nas casas que ia, ela fazia oração,  a limpeza com as pessoas, fazia a ikebana. Das 100 pessoas que ela encaminhou, 23 estão a frequentar a igreja, vendo mudanças nas suas vidas. Hoje, com o ohikari, ela pode fazer muito mais ministrando Johrei. Porém, ela nos deu um grande exemplo de como devemos preparar os nossos candidatos para receber o Ohikari. E que, todos nós podemos começar a mudar o destino das pessoas que têm afinidade connosco, praticando o Belo nas suas casas, através da limpeza, através da ikebana, através do contacto com a flor no dia-a-dia.

Meishu-Sama, no ensinamento que ouvimos hoje, fala que:

“(…)Mais do que uma satisfação pessoal, o belo causa uma sensação agradável aos outros; assim sendo, podemos dizer que ele é uma espécie de boa acção. Antes de mais nada, à medida que uma sociedade eleva o seu grau de civilidade, é natural que tudo se torne belo, essa é a verdade. Numa simples observação, podemos notar que, nos primórdios da história, não existia praticamente nenhuma beleza no quotidiano. Podemos dizer que o desenvolvimento da cultura é um dos aspectos do aperfeiçoamento do belo.

Naturalmente, no nível individual, mesmo os homens devem procurar manter a beleza, a fim de causar uma impressão positiva junto às pessoas. As mulheres, principalmente, devem buscar deixar tudo mais belo. Talvez seja indiscrição da minha parte, mas essa é a realidade. É importante ter atenção quanto à limpeza dos aposentos da casa, varrendo-os de modo que permaneçam bem limpos, tendo especial cuidado para não haver teias de aranha no tecto. Da mesma forma, precisam deixar tudo devidamente organizado ou guardar o que seja desagradável à vista. Assim, não só os familiares como também as visitas se sentirão bem, fazendo com que surja, naturalmente, o respeito. Dessa maneira, aumentará igualmente o conceito do chefe da família.(…)”.

Quando falamos da prática da limpeza, precisamos lembrar das leis da natureza. Uma das leis é a “Lei de Identidade Espírito Matéria”. Onde existe sujeira material, existe sujeira espiritual. Por isso é que  quando vamos para uma casa e começamos a limpar, pedindo a Meishu-Sama que nos utilize para fazer aquela limpeza, ou no local de serviço, onde quer que seja, na rua; na verdade, nós estamos a limpar materialmente mas também espiritualmente. Dessa sujeira espiritual é que vem doença, miséria, conflito. Então, quando falamos de campanha de limpeza por um mundo melhor, é  uma prática essencial  para chegar no Paraíso Terrestre, essa consciência da limpeza das nossas casas, das nossas ruas.  E Meishu-Sama continua:

“Devemos, ainda, cuidar do aspecto externo das residências. Para isso, não há necessidade de despender muito dinheiro, pois se procurarmos conservar nossa casa sempre limpa e com boa aparência, não só causaremos uma sensação agradável aos transeuntes como também influenciaremos positivamente o turismo nacional. A esse respeito, soube que, na Suíça, o que talvez se justifique em parte pela sua pequena área, tanto as ruas como as praças públicas são mantidas limpas e, por essa razão, a sensação que se tem é realmente aprazível.(…)”.

(…) Por meio dessa atmosfera de beleza, os sentimentos dos cidadãos também se tornarão belos, e creio que, com isso, os crimes e os acontecimentos desagradáveis diminuirão significativamente, o que se constituirá, consequentemente, um dos factores determinantes para a concretização do Paraíso Terrestre.(…)”.

Aqui Meishu-Sama está a deixar bem claro, que na medida que as ruas vão tendo limpeza, beleza, o que tem de melhor dentro do ser humano, começa a aflorar pelo contacto com o Belo. Assim, para diminuir essa violência na sociedade, essa consciência da limpeza, de arborizar as ruas, cultivo de flores, precisa ser expandida.

“(…) Para finalizar, escreverei a meu respeito. Desde jovem, eu gostava de tudo o que dissesse respeito ao belo. Embora fosse muito pobre, cultivava flores em pequenos espaços e, quando dispunha de tempo, pintava quadros. Sempre que me era possível, visitava museus e exposições. Na primavera, apreciava as flores; no outono, as folhas coloridas das árvores. Agora, pela graça de Deus, a minha vida é mais afortunada.(…).”.

Meishu-Sama, mesmo no meio da grande pobreza em que nasceu e cresceu, cultivava flores, e procurava praticar o belo, apreciá-lo no seu dia-a-dia. Isso também foi muito importante, para a formação da sua personalidade, no desenvolvimento do seu carácter. Então, vamos cada vez mais procurar seguir esse exemplo dele no nosso dia-a-dia.

Nós, através dessa dedicação de levar o Belo para o próximo e para o mundo, temos tido cada vez mais experiências de fé e eu gostaria de relatar duas resumidamente para os senhores.

Uma missionária nossa do Sanguetsu, que tinha conflitos no seu lar. O marido acusava que ela era bruxa. Depois de ela entrar na igreja, piorou mais ainda chegando ao ponto do marido vender uma parte da mobília para ir consultar um quimbanda e depois abandonou a esposa. Mas, ela agradeceu e continuou com a sua dedicação de fazer a distribuição de flores, vivência nas casas das pessoas, entregou nas mãos de Deus e Meishu-Sama. Depois de um tempo, quando foi esse ano, depois da vivência da flor do dia dos namorados, 14 de fevereiro, o marido procura-a para pedir perdão. Ele chegou e disse para ela: “Olha, eu fui à um quimbandeiro, que me disse o seguinte: “Você só não morreu ainda, graças à sua esposa! Você está no meio de uma grande escuridão, e a sua esposa tem uma flor enorme na cabeça, que ilumina a escuridão da sua vida. Você só estava vivo por causa dela!”. Então, ele pediu perdão dizendo:” Me perdoe, eu vou corrigir o meu comportamento; eu vou comprar a mobília que vendi para fazer isso tudo, mas por favor me perdoe, me aceite de volta na sua vida!”. E assim eles se reconciliaram.

Uma outra missionária do Sanguetsu, certo dia andava na rua e encontrou um jovem com problemas mentais, todo sujo, no meio da rua abandonado e começou a observar, preocupada com o estado dele. Ele começou a caminhar e ela seguiu até uma casa onde ele entrou. Então, ela se apresentou e notou que era a casa dele e conversou com a sua mãe . A mãe disse: “O meu filho já está com esse problema há mais de um ano! Já ficou na psiquiatria, mas só piorou. Aqui em casa ele fica acorrentado mas, tem vezes que foge e dorme na rua, fica a viver na rua!”. Então, a missionária falou: “Eu sou da Igreja Messiânica, será que posso dar-vos assistência?”. “Pode!”, respondeu a senhora. Assim, ela fez oração com a família, limpou profundamente a casa junto com eles, fez a vivência de ikebana junto com a mãe e com os outros familiares, incluindo o Jovem e ministrou Johrei. Convidou para ir à igreja mas, a senhora não aceitou ir. Ela disse que estava tudo bem, que continuaria a vir à casa deles. Depois de 4 dias, a mãe do Jovem falou assim: “Eu quero conhecer a igreja!”. Ela começou a frequentar a igreja junto com o filho e depois de pouco mais de um mês a frequentar, o filho ficou totalmente recuperado e a família toda está a frequentar a igreja!

Então, isso mostra como podemos e devemos fazer a diferença na vida das pessoas, como é possível através do que Meishu-Sama ensinou, a prática do Belo; limpeza, a flor; nós que já podemos ministrar  Johrei, ministrar o Johrei mas, mesmo começando com a limpeza e com a flor, já começa uma mudança na atmosfera, a fim de criar condições para atrair quem tem afinidade de receber Johrei, receber o Ohikari e participar connosco na marcha de Johrei a nível mundial.

Nós estamos a nos preparar para o Culto Anual às Almas dos Antepassados, agora nos próximos dia 1 e 2 de Novembro. É muito importante darmos continuidade a essas actividades, de limpeza, de vivência da Ikebana nos lares, montagem das hortas, limpeza nas ruas também. Tudo o que estamos a fazer mas, também procurar encaminhar e acompanhar outras pessoas para que possam se tornar membros. Muitas pessoas dizem: “Ah, eu convido a pessoa para vir para a igreja, mas ela não aceita… ela não quer vir, a minha família não aceita vir! ”. Eu queria ler para os senhores uma experiência que recebi dias atrás, da nossa querida República Democrática do Congo, Núcleo de Johrei de Matadi.

O meu nome é Malanda Matondo Doris, tenho 42 anos de idade e sou membro desta Igreja.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial em Janeiro de 2020, através do meu pai, o Sr. Malanda Matondo Nzau.

O meu pai sofria de várias doenças tais como: problemas de tensão, problemas na próstata e dores nos pés, a ponto de não conseguir andar. Já o havíamos levado a várias igrejas e curandeiros tradicionais, sem nenhum resultado satisfatório. Quando ele foi encaminhado à Igreja Messiânica, através do cumprimento das práticas básicas, foi curado.

Foi um grande motivo para eu começar a receber o Johrei, isto no final de 2020. Quando encontrei o Missionário na unidade no início deste ano, após ouvir as minhas dificuldades, me orientou o seguinte: receber pelo menos 10 Johrei por dia, fazer a reflexão profunda, fazer o donativo de gratidão para agradecer por qualquer situação e colocar a flor de luz em casa. Esforcei-me tanto quanto possível, para seguir essas orientações, excepto que receber 10 Johrei por dia era difícil para mim devido à falta de tempo.

No entanto, recebia Johrei regularmente em casa do meu pai, incluindo os meus filhos. Na altura, eu também tinha o problema de doenças dos meus filhos, que frequentemente adoeciam. Nós éramos obrigados a tratá-los com medicamentos quase todas as semanas, gastando muito dinheiro.

Além disso, meu trabalho não era estável. Também dormia fora de casa, andando com mulheres, gerando dessa forma, conflitos que entristeciam a minha esposa, tornando-a infeliz. Isso tudo criava desarmonia total em casa entre mim e a esposa.

Quando a minha esposa me viu a receber Johrei do meu pai, ela não podia seguir-me até à Igreja porque dizia que a Igreja Messiânica era mágica.

Com o tempo, fui me apercebendo que os meus 4 filhos, já não adoeciam como antes. Isso me encorajou muito, porque já não gastávamos mais dinheiro, como anteriormente acontecia.

Outra mudança foi observada no meu trabalho, que se tornou mais estável, criando melhores condições para a minha família. Foi assim que, com gratidão, fiz o donativo para receber o Ohikari, tendo sido outorgado no dia 15 de agosto passado, para participar desta grandiosa Obra de salvação da humanidade!

Outra coisa que me impressionou, foram os ensinamentos de Meishu-Sama!

Quando ouvia esses ensinamentos, a partir das palestras do missionário nos cultos, era como se ele estivesse a falar comigo. Assim, comecei a ganhar forças para mudar meu comportamento. Já não sentia vontade de sair e de continuar a vida que levava. Comecei a ficar mais próximo da minha esposa onde ela vende e voltamos juntos para casa. Todos os dias oramos em casa, junto com ela e todos os filhos. Todas as noites ministro Johrei a toda família.

A harmonia voltou completamente à minha casa. Quando a minha esposa percebeu que eu tinha mudado, ela me pediu que a levasse à Igreja com todas as crianças. Chegando na igreja, ao apresentar-lhe ao missionário, este fez-lhe a seguinte pergunta: “Há muito tempo eu pedia ao seu marido que lhe encaminhasse à igreja, mas por que você não veio?”. Ela respondeu: “Não pude vir antes, porque meu marido ainda não tinha mudado nada, enquanto orava aqui! (mulher rasga o verbo mesmo né! Risos).

Há algum tempo, descobri que ele mudou completamente o seu comportamento. Ele nunca mais dormiu fora de casa. À noite, ele vem buscar-me onde estou a vender, para irmos para casa juntos. Oramos juntos e ele ministra Johrei em casa. Até as crianças ficaram espantadas com esta mudança. É por isso que vim ver a Igreja que fez o meu marido mudar, e é por isso que comecei a frequentar esta Igreja!”.

Toda a minha família está saudável, feliz e em paz. Por todas essas graças recebidas, fiz um donativo de gratidão. Também faço o dízimo e coloco sempre a flor em casa.

Através destas experiências, aprendi que as práticas básicas, especialmente o Johrei e os ensinamentos de Meishu-Sama, transformam o comportamento das pessoas, o que, por sua vez, atrai as outras pessoas ao nosso redor para serem encaminhadas à Igreja!

É como sempre digo para os senhores, a primeira pessoa que eu preciso encaminhar sou eu. O nosso irmão foi atraído para a igreja pela mudança na saúde do pai dele. O milagre que o pai recebeu em termos de saúde.  A esposa foi atraída pelo milagre que ela viu da mudança interior e do comportamento do esposo. O que desperta as pessoas e as atrai é o milagre! Mas, muitas vezes achamos que o milagre é só quando cura a doença, quando resolve algum problema financeiro, quando supera um conflito. Contudo, o maior milagre é a transformação do nosso interior de egoísta para altruísta, de materialista para espiritualista! E esse milagre maior é que permite a nossa família e as outras pessoas que têm afinidade connosco serem atraídas para participar da Obra Divina também.

Muitas vezes, e como a esposa antes dizia: “Não vou para a Igreja porque é de magia, porque eu tenho a minha igreja, tenho isso…!”. Eu já ouvi muito isso, em vários países, mas a pessoa não vem porque o parente, que é membro, não teve uma mudança profunda no seu comportamento a partir de casa. E assim ele não consegue despertar a alma do outro!

Meishu-Sama nos seus ensinamentos fala muito claro: Se eu sou membro, e a minha família é contra a prática da fé, a causa está em mim que sou membro. Eu tenho máculas que geram essa oposição. Se eu como membro me elevar espiritualmente através da leitura dos ensinamentos e da ministração do Johrei, do encaminhamento de pessoas, pelo elo espiritual, devido à minha elevação, a minha família se eleva também, eles são purificados pelos elos espirituais. Mas, enquanto não há essa mudança profunda dentro de mim, não consigo mover a família, também não vou conseguir atrair as outras pessoas que têm afinidade comigo. Então, nós precisamos sempre buscar ser essa mudança que queremos ver no mundo, trabalhar o nosso interior. E nesse ponto, a arte, o belo no nosso dia-a-dia, têm um papel essencial para polir a nossa alma!

Para finalizar, eu gostaria de compartilhar com os senhores uma história que ouvi dias atrás. É sobre o rei Salomão, que sempre foi conhecido pela sua profunda sabedoria.

Certo dia, ele estava em seu quarto e entrou uma abelha. Os seus súditos, os seguranças, tentaram matá-la antes que ela picasse o rei. Mas, a abelha conseguiu fugir deles e chegou no ouvido do rei e disse: “OH, grandioso rei, poupe a minha vida hoje, pois quem sabe, amanhã eu posso ser útil para o senhor de alguma forma!”. Ao ouvir isso, o rei deu uma risada e exclamou: “Eu sou o homem mais poderoso do mundo, como é que uma abelha vai me ajudar!!!”. Então, disse para os súditos: “Não a matem, deixem-na viva!”. Passados alguns dias, veio a rainha de Sabá. Ela veio para encontrar com o rei e  testar a sabedoria dele. Ela fez várias perguntas e o rei conseguiu responder todas. Fez várias artimanhas  mas, o rei conseguia resolver, até que ela pensou: “Como vou fazer para mostrar que esse rei não tem toda essa sabedoria!?”. Foi quando ela foi ao jardim do palácio, pegou uma flor e levou para os seus artistas, os seus artesãos e pediu para eles fazerem 99 cópias idênticas daquela flor. Eles as fizeram perfeitas, igualzinhas à flor que ela havia tirado do jardim do palácio. Então, ela chamou 50 rapazes e 50 meninas, e entregou uma flor para cada um. Chamou o rei e enfileirou todos na frente do rei e disse: “Majestade, qual dessas flores é a verdadeira!?”. O rei pensou: “Agora essa mulher me pegou!”. E aí o rei sentiu uma coisa pequena a picar o seu braço. Era aquela abelha. A abelha foi, sobrevoou todos os jovens e pousou justo na flor verdadeira pois esta tinha o néctar no seu interior . Assim, o rei foi para lá, tirou a flor e disse: “É essa aqui!”. E entregou para a rainha de Sabá.

Essa estória nos mostra que ninguém é tão grande que não precisa da ajuda de alguém e ninguém é tão pequeno que não possa ajudar alguém! Todos nós podemos e devemos fazer a diferença na vida do nosso próximo, na vida do nosso planeta!

Mais uma vez, muito obrigado! Feliz mês de setembro para os senhores e para os vossos familiares!

Muito obrigado a todos!

Leia também em ESPANHOL; RUSSO; FRANCÊS

213 Views

Partilhar amor

Procura mais alguma coisa?

Relacionados:

Experiência de fé do dia
Ensinamento do dia
Reminiscência do dia
Ensinamento | Estudo Diário