Saudação do Presidente da IMM-África – Abril de 2022

Culto Mensal de Gratidão de Abril de 2022

Saudação do Presidente da IMM-África

Reverendo Claudio Cristiano Leal Pinheiro

03/04/2022

Bom dia a todos!

Os senhores estão a passar bem?

Parabéns pelo nosso Culto Mensal de Gratidão do Mês de Abril!

Muito obrigado! Quero agradecer do fundo do coração pelo esforço que os senhores têm feito em prol da expansão da obra divina, do johrei, dos ensinamentos do Messias Meishu-Sama, em todo o nosso querido continente africano.

Quero agradecer muito o esforço que cada um tem feito no dia a dia pra levar o Supremo Deus e o Messias Meishu-Sama ao próximo, participando activamente nessa construção do paraíso terrestre.

Quero também pedir, né? Hoje nós temos caravanistas aqui das províncias do Kwanza-Sul, Bié, Cabinda, Uamba, Malange, Uila, Benguela, Muxico e Lunga-Norte. Essas são as províncias, para além de Luanda, que estão presentes. Uma salva de palmas para todas elas!

Muito obrigado pela presença, pelo esforço que têm feito nas províncias e o esforço de vir à sede agradecer e receber força também, através do sentimento deles sincero, participando do culto aqui connosco para realmente podermos avançar com essa construção do paraíso terrestre.

Eu queria convidar à todos os senhores para no próximo dia 14 de Abril participarmos do culto dos 12 de falecimento do nosso saudoso querido Presidente Reverendo Francisco Jesus Fernandes.

Esse culto vai ser feito em todas as unidades religiosas da África e vamos, nesse dia, realizar actividades, fazer uma dedicação especial de limpeza e distribuição de flores. Aos fiéis que não puderem estar nas unidades, procurem distribuir flores na sua vizinhança, no local de serviço, na escola, com o sentimento de agradecer pela existência do nosso querido Reverendo Francisco e de seguirmos o exemplo dele de entrega ao Supremo Deus e ao Messias Meishu-Sama na construção do paraíso terrestre.

Amanhã, em Angola comemora-se o dia da paz. Parabéns à todos por essa data tão especial!

Muito importante comemorar amanhã para nós sempre lembrarmos que para alcançar a verdadeira paz, vai ser preciso todos os nossos corações se religarem ao Supremo Deus.

A paz não é algo que se conquista e acabou, a paz é algo que se cultiva à partir de dentro de cada um de nós.

À partir do nosso coração, nós precisamos cultivar a paz, cultivar de uma forma que se reflita nos nossos relacionamentos, começando em casa com a nossa família. Nós falamos de paz, paz, paz, mas ainda existe muita violência doméstica, existe muita violência no trânsito, na sociedade em geral, então nós precisamos ter uma visão mais profunda quando falamos sobre paz, cultivar a paz e para isso é importante a limpeza do nosso coração.

Nós ouvimos hoje um ensinamento que começou com um poema de Meishu-Sama, onde ele fala:

“Quando todas as pessoas abrirem as portas do seu coração, as trevas que envolvem este mundo desaparecerão

Meishu-Sama está falando da importância da limpeza contínua do nosso coração, do nosso sentimento. Não deixar acumular sujeira, sentimentos negativos no nosso coração.

Nós precisamos sempre lembrar que nós recebeu do Supremo Deus uma partícula divina, a alma que é o nosso espírito protector primordial, a alma é um pedaço do Supremo Deus e a alma está envolta pelo nosso sentimento, por isso é tão importante a limpeza continua do nosso sentimento e o cultivo do sentimento de gratidão, não deixar sentimentos negativos proliferarem, enraizarem no nosso coração: preconceitos, ingratidões, mágoas, aflições, preocupações, ódios, ressentimentos, invejas, vinganças, ciúmes, mentiras e medos, tudo isso suja o nosso coração, nubla o espírito e esconde a nossa partícula divina, impede O Supremo Deus e o Messias Meishu-Sama de nos utilizarem de uma forma mais ampla, mais profunda. Por isso que é uma decisão de cada um essa limpeza interior, buscar essa limpeza.

Os senhores gostaram da experiência da irmã Odete?

Mais uma salva de palmas para ela, por favor!

Experiência muito bonita, muito forte, né?

Os senhores veem que quem conhece ela, sabe que é uma pessoa bem dedicada, bem esforçada a nível profissional, a nível da missão na igreja, mas mesmo assim surgiu aquela purificação na sua vida, na saúde. Ela começou a buscar, reflectir e ela viu que mesmo fazendo tudo o que ela fazia como dedicação, faltava aprofundar na sua missão como membro. O que é a missão como membro?

Tem um ensinamento aqui que eu gostaria de compartilhar com os senhores, Meishu-Sama fala:

“A maneira de agradar mais à Deus”

Um interlocutor perguntou para Meishu-Sama: “Como devemos proceder para que sejamos do agrado de Deus?”

Meishu-Sama respondeu: “Salvando o maior número de pessoas. O que quero dizer é o seguinte, como o ser humano não possui força para tal, deve encaminhar tais pessoas aos lugares onde poderão ser salvas. Para isso, o melhor é encaminhar o maior número de pessoas para receber aulas de iniciação para se tornarem membros da nossa igreja e, a seguir, concentrar forças em coisas que sirvam para a salvação de grande número de pessoas. Deus, então, concederá muitas graças porque este é o procedimento que mais lhe agrada, e as dádivas divinas serão amplas e generosas.”

Aqui Meishu-Sama esta deixando bem claro o que mais agrada à Deus: encaminhar, salvar, formar novos membros. Todos nós precisamos aprofundar nessa tarefa.

No outro ensinamento, o interlocutor perguntou para Meishu-Sama (Ele fazia muitas sessões de perguntas e respostas): “Há uma pessoa que desde que iniciou o curso de iniciação (desde que se tornou membro), nada fez para salvar o próximo, agora está a passar por uma purificação. Gostaria de saber se essa pessoa está apta a receber a graça.”

Meishu-Sama perguntou: “essa pessoa não está participando da expansão da obra divina, não é?”

Interlocutor: “de facto, ela não tem feito.”

Meishu-Sama: “é por isso que ela não esta recebendo a graça. De nada adianta tornar-se membro e depois nada fazer.

Ingressar em nossa igreja significa receber a força de salvar o próximo e aprender a maneira de salvá-lo, portanto é como se fosse entrar numa escola e estudar, os novos conhecimentos devem ser vivificados. Da mesma forma, quando a pessoa põe em prática o que aprendeu, Deus concede suas bençãos, pois Ele quer salvar tantas pessoas quantas for possível.

É preciso salvar as pessoas. Se não o fizer, de nada adianta se tornar membro e também não poderá receber bençãos.”

Então Meishu-Sama está falando bem claro que nosso objectivo como membros, nossa missão é salvar pessoas. E quando a irmã Odete fez essa reflexão, tomou a decisão de voltar a aprofundar no encaminhamento, acompanhamento de pessoas, aí surgiu a purificação do conflito com um parente, ou seja, a pessoa entrou no ponto vital da dedicação, entrou luz mais intensa, surge a purificação.

Quando surgiu aquele conflito, como orientação o ministro a orientou a reflectir, a buscar que tinha algo ainda dentro dela que ela precisava tirar. Existia ainda mágoa, sentimento negativo que ela precisava tirar, que aquela purificação estava a servir pra mostrar pra ela tirar pra fora.

É por isso que quando a gente fala que purificação é o amor de Deus, toda vez que surge a purificação, tornar puro, o que estiver de sujeira, toxina, mácula, mágoa poder ser eliminado porque aquela sujeira que está no nosso sangue, no nosso espírito, no nosso sentimento impede o aprofundar da nossa ligação com o Supremo Deus, com o Messias Meishu-Sama. Está a impedir nosso crescimento espiritual.

No ensinamento que ouvimos hoje que é o prefácio do livro “Criação da Civilização”, Meishu-Sama cita as palavras de Jesus quando Jesus disse: “arrependei-vos porque está próximo o reino dos céus na terra”, Meishu-Sama fala sobre essa fase que estamos a viver agora, que todos nós precisamos nos arrepender e nos corrigir. Foi esse passo que a irmã Odete aprofundou mais, enxergar dentro dela e pediu a Meishu-Sama: Me ajuda a tirar isso de mim.

Enquanto a gente está vivendo uma situação que nós achamos que a culpa é de alguém, que a gente julga, critica, está com raiva de alguém, nós só estamos a impedir o nosso crescimento espiritual.

Nós precisamos fazer como ela fez, buscar a causa dentro de nós. Se não estamos conseguindo limpar, pede ajuda alguém pra orar junto.

Como ela fez foi ao altar, começou a fazer o donativo diário, aprofundou mais na dedicação de cuidar de pessoas e começou essa limpeza mais profunda no seu sentimento e vocês vêm, a nível profissional ela subiu de categoria, algo que ela buscava há vários anos e não percebia porquê não acontecia, e na família tiveram todas aquelas graças que ela relatou, as pessoas que ela começou a acompanhar também tiveram mudanças. Tudo fruto da mudança que ela teve dentro dela, então cada um precisa buscar essa reflexão, reconhecer o que tem de negativo dentro de si, o que eu preciso limpar, vencer, pedir a Meishu-Sama forças e aprofundar na dedicação: johrei, encaminhamento, donativos, nossa dedicação no dia a dia, nas nossas actividades, é o que vai permitir essa limpeza, a expansão da nossa alma, a construção da nossa fé.

Sem profunda limpeza das nossas máculas não vai acontecer a profunda expansão das nossas almas e não vai acontecer a profunda construção da nossa fé. Existe essa ordem, sem limpeza, sem purificação, não tem elevação.

Nós purificamos não só através do sofrimento, é através do mérito principalmente, ministrar johrei, salvar pessoas, encaminhar, formar novos membros, dedicar nos locais de maior luz, participar da construção dos locais de maior luz, dedicando com as próprias mãos através da gratidão, tudo isso são pontos essenciais pra nosso crescimento, pra nossa participação na construção do paraíso terrestre.

Parece algo simples, mas, como disse para os senhores, a paz é algo que precisa ser cultivado no dia a dia através dos nossos pensamentos, sentimentos, palavras, acções.

Esse cultivo da paz começa dentro de cada um de nós. O nosso esforço no dia a dia, na construção do paraíso terrestre é que vai nos tornando passo a passo seres paradisíacos, por que cada um se torna aquilo à que se dedica continuamente.

O que eu me dedico no dia a dia, é aquilo que eu me torno. Se eu me dedico a mentir, roubar, trair, falsear, caluniar, eu estou participando da manutenção do inferno terrestre, eu me torno cada vez mais uma criatura infernal, minha vida cada vez mais vai ser um inferno, é o que estou a plantar, é o que estou a me transformar. Se eu me empenho no dia a dia a cultivar a gratidão, preocupar em servir o próximo e o mundo, preocupar em acumular boas acções em casa, na rua, no trabalho, na escola, preocupar realmente em fazer o próximo feliz no dia a dia, sem esperar retorno, eu estou a participar da construção do paraíso, cada vez mais vou me tornando paradisíaco. Cada um se torna aquilo à que se dedica continuamente, é o que nós plantamos no dia a dia.

Eu quero agradecer muito pelo esforço extra que todos têm feito nas actividades de construção aqui da conclusão da nossa sede, do solo sagrado de Kakuako, das unidades.

Nós estamos também desenvolvendo, como foi falado já para os senhores, obras em outros países, a construção da sede de São Tomé e Príncipe, a reforma da sede de Moçambique, a construção dos primeiros johrei centers na República do Congo Brazzaville e na República do Benin, tudo isso está gerando muita força através da participação nessa construção.

Tem uma experiência de São Tomé e Príncipe de uma irmã nossa que eu queria compartilhar com os senhores, da irmã Ana Paula Pereira Afonso Gwé:

“Tenho 29 anos de idade, sou missionária, resido em Santana, São Tomé, dedico no Johrei center Praia Melão.

A experiência de fé que passo a relatar para os senhores está relacionada com o donativo de construção.

Tornei-me membro aqui em Angola. Depois do meu avô partir para o mundo espiritual em 2020, criei o sonen de retornar para a minha terra natal, São Tomé e Príncipe, afim de também levar a força do johrei para os meus familiares.

Como queria vir junto com o meu marido, comecei a guardar algum valor com o objectivo de custear as despesas de viagem para ambos.

Continuando a aprofundar na minha tarefa dentro da fé messiânica, como instrumento de Meishu-Sama, certo dia o chefe de serviço do meu marido lhe comunicou que iria transferi-lo para trabalhar na empresa em São Tomé, no mês de Maio de 2021 e regressaria em Novembro do mesmo ano para Angola.

Após 5 meses a trabalhar em São Tomé, meu marido dirigiu um pedido ao seu chefe, dizendo que gostaria de continuar a trabalhar aqui no país e que, se fosse possível, em vez dele regressar para Angola, sua esposa é que deveria juntar-se a ele em São Tomé. O senhor aceitou a proposta, destacando que apenas compraria o bilhete de passagem, mas o teste de COVID 19 seria da responsabilidade do meu marido, o que foi aceite.

Ao me comunicar isso, fiquei muito feliz e me empenhei em regularizar tudo para a viagem.

Já com as coisas regularizadas e preparada para retomar à São Tomé no dia 15 de dezembro de 2021, ao ir entregar os documentos no senhor, ele me disse: “o preço dos bilhetes de passagem está muito alto. Regressa à casa e espera.”

No entanto, o senhor havia comprado bilhetes para 4 empregados da sua empresa afim de virem trabalhar em São Tomé, só no meu caso é que o bilhete estava caro. Um pouco desapontada, tive que me conformar com a situação.

Outra barreira que surgiu no meu retorno ao meu país, foi com a casa de aluguel onde morávamos. Como o patrão do meu marido é que pagava o aluguel, com a alteração do plano de viagem, tive de ir ao seu encontro pra ele me dar o dinheiro pra eu pagar a renda. Para a minha surpresa, o senhor já tinha viajado para o exterior do país.

Considerando que ja estava expirado o prazo para o pagamento do aluguel, a dona da casa me colocou na rua.

Como também já tinha deixado de trabalhar, considerando que era pra viajar no dia 15 de dezembro, fiquei desesperada porque sem marido, sem trabalho e na rua, o que seria de mim?

Não tive outra alternativa, senão procurar alguém pra me abrigar temporariamente. E, graças a Deus e a Meishu-Sama, encontrei acolhimento na minha mãe espiritual, ou seja, a irmã que me encaminhou. Arrumei as minhas coisas e fui morar com ela.

Felizmente, o núcleo de johrei que eu frequentava era no quintal, o que facilitava a dedicação. Foi assim que criei o desafio de levantar às 5h da manhã, ministrar johrei em todos os filhos da minha mãe espiritual, e também na minha filha. Às 6h, participava no desafio e depois continuava a fazer as outras dedicações.

Certo dia, tive um sonho em que eu estava numa estrada com um saco de bananas ao lado e não conseguia encontrar um carro pra me levar. Olhando mais pra baixo, havia uma casa em construção que só tinha 4 pilares e as chapas.

Ao despertar, agradeci pelo sonho e fui participar no desafio das 6h, depois fui dedicar. Durante a dedicação, conversei com os meus antepassados a dizer: Vocês me fizeram o convite pra regressar à minha terra natal e agora querem me deixar aqui? E os documentos que vão expirar o prazo no fim do mês de janeiro? O que será de mim?

A seguir, ouvi uma voz que me disse: “Como queres viajar para a tua terra, se ainda não terminaste de fazer o donativo do pilar do solo sagrado de África?”

Ouvindo essa mensagem, lembrei do sonho que tivera e reflectindo pensei: “Como posso fazer o donativo, se não tenho o dinheiro? O único dinheiro que tenho é para comprar a minha mala pra viajar.”

Foi com essas indagações que permaneci na nave a ministrar johrei, buscando como desembrulhar esse nó. Sinto que nessa reflexão, vivi momentos de luta entre o bem e o mal, e como o bem sempre vence, apareceu a ideia de desapegar do valor para a compra da mala e fazer o meu donativo de construção dirigido ao solo sagrado de África, nem que eu tivesse que viajar usando um saco de rapel para botar a minha bagagem.

Peguei no valor, materializei o referido donativo de construção com o sonen de levar luz aos antepassados e ancestrais das minhas linhagens. Após essa dedicação, no período da tarde, o director da empresa onde o meu marido trabalha me ligou, disse para eu comparecer no dia seguinte muito cedo com os documentos para a minha viagem. Digo-vos que quase abri a manhã com as minhas mãos de tanta ansiedade para chegar na empresa e entregar os documentos.

Assim que a porta da secretaria da empresa abriu, entrei e dei os documentos. Para a minha surpresa, nesse mesmo dia, a empresa comprou os bilhetes de passagem, pagou o teste de COVID 19, me levou à praça pra comprar uma mala pra viajar e disponibilizou o carro que me levou para o aeroporto e assim cheguei à São Tomé num estilo totalmente longe da programação que tivera feito.”

Os senhores vêm, né? Quando acontece alguma coisa que a gente acha que está mal, quando a gente busca a causa dentro de nós e se aperfeiçoa, o resultado é muito superior do que a gente quer.

Ela tem mais milagres, não acabou não.

“Outra surpresa maravilhosa que Meishu-Sama me proporcionou, foi quando o chefe do meu marido chegou em São Tomé. Ele comprou um terreno e material de construção, oferecendo-os ao meu marido pra construir a nossa casa própria.

Como messiânica, assim que cheguei, decidi mostrar Meishu-Sama aos meus familiares através da flor e do johrei. No entanto, um sentimento de receio de rejeição por parte deles começou a se manifestar dentro de mim.

Ao colocar em prática essa dedicação, fui surpreendida pela facilidade com que eles recebiam a flor e o johrei , o que me deixou muito feliz.

Passei a acompanhar uma prima que há 3 meses tinha dado à luz, mas o progenitor não apareceu, deixando-a entregue à sua sorte. Com uma semana de assistência religiosa, o pai da criança lhe enviou dinheiro, fraldas para o bebé, géneros alimentícios e passou a lhe dar a pensão alimentícia.

É com essa dedicação que no domingo tive a permissão, através do meu marido que também é membro, de conhecer o johrei center de Praia-Melão. Fui bem recebida e na conversa com a responsável, ela me informou que o culto mensal de gratidão seria realizado na sede central de São Tomé e Príncipe e me convidou para participar.

 

Graças a Deus e a Meishu-Sama, no culto mensal do mês de Fevereiro, pisei na sede central. Confesso aos irmãos que o que vi e senti, não tenho palavras para demonstrar. Só posso dizer a todos muito obrigada pela felicidade que me proporcionaram ao ver e sentir o crescimento da obra do Messias no meu país.

É com esse estado de espírito que tomei a decisão de abraçar a construção da sede central, com o sentimento de que eu e os meus ancestrais e antepassados precisamos ganhar o perdão de Deus pelos pecados que cometemos.

Aprendi também que o johrei é a medicina do século XXI e que o apego é que nos leva ao sofrimento.

Meu compromisso é despertar o maior número de pessoas para participar da construção dos locais que serão utilizados para salvar mais pessoas.”

– Ana Paula Pereira Afonso Gwé

Então nossa irmã nos deu um grande exemplo da importância de nós, junto com os nossos ancestrais e antepassados, participarmos nessa construção nos locais de maior luz, principalmente no nosso solo sagrado de África.

Para concluir, há dias atrás eu achei uma história bem interessante de um senhor que estava a olhar pela janela da casa dele e, no depósito do lixo, ele viu uma pessoa procurando comida. Quando ele olhou pra aquilo, ele pensou: “Graças à Deus que eu tenho comida em casa”

E aí a pessoa que estava a procurar comida no meio do lixo viu, passando em volta dele, a gritar, falar alto uma pessoa com problemas de loucura, e aí a pessoa que estava a procurar comida pensou: “puxa, graças à Deus que eu não sou louco.”

O louco estava andando e viu passar uma ambulância com a sirene ligada e aí pensou: “graças à Deus que eu não estou doente.”

Dentro da ambulância, o doente que estava na maca chegou ao hospital e viu uma maca do lado dele com um lençol cobrindo um corpo é aí ele pensou: “puxa, graças à Deus que eu não morri.”

E aí nós paramos para reflectir o que a gente está a agradecer no nosso dia a dia? E se amanhã cada um de nós só acordar com o que nós agradecemos hoje? E se amanhã cada um de nós só acordar com o que nós reclamamos no dia de hoje?

Nós é que traçamos o nosso destino. Nosso destino começa a ser traçado dentro de nós com o que nós acreditamos.

O que nós acreditamos é que define o que nós pensamos, sentimos, falamos e fazemos. Por isso que é tão importante nós como messiânicos termos como alicerce do nosso dia a dia ministrar, receber johrei e estarmos conversando com Meishu-Sama através da leitura diária dos seus ensinamentos. Os ensinamentos de Meishu-Sama são para cada um de nós reflectir sobre nossas crenças, trabalhar nosso interior pra nós sermos realmente construtores do paraíso terrestre, cumprindo nossa missão como representantes do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama, representantes dos nossos ancestrais e antepassados.

Mais uma vez, muito obrigado, feliz mês de abril, vamos nos encontrar durante o mês aqui, no nosso solo sagrado de Kakuako, nas nossas unidades religiosas.

Boa missão para todos!

Feliz continuação de domingo para os senhores!

74 Views

Partilhar amor

Procura mais alguma coisa?

Relacionados:

Experiência de fé do dia
Ensinamento do dia
Reminiscência do dia
Ensinamento | Estudo Diário